Visibilidade Trans – conheça a data

O dia da Visibilidade Trans no Brasil é um marco desde 2004. A data, marcada no dia 29 de janeiro dá visibilidade para Transexuais, Travestis e não-bináries. No país que mais mata transexuais e travestis no mundo, precisamos – muito – falar sobre isso, vem com a gente? 

O que quer dizer “Trans”?

Dentro da sigla LGBTQIA+, cada letra representa uma orientação sexual, identidade de gênero ou expressão de gênero. A letra T é responsável por representar os Transexuais, Transgêneros e  Travestis, se você quiser saber mais sobre as outras letras pode ler o texto LGBTQIA+, muito mais que uma sopa de letrinha.

Pessoas trans são pessoas que não se identificam com o gênero que lhe foi atribuído ao nascimento. Isso quer dizer que ao nascer o sexo biológico era de um pênis e por isso lhe foi dado o gênero masculino ou ao nascer o sexo biológico era de uma vulva e lhe foi designado o gênero feminino.

Mas nem sempre é assim, quando a pessoa nasce com uma vulva e se identifica com o gênero feminino, ou seja, como mulher é uma pessoa cis(gênero). Mas, quando a pessoa não se identifica com o gênero atribuído ao nascimento, ela é trans(gênero). Também vale a pena dizer que quando falamos sobre pessoas trans estamos dizendo de identidade de gênero e não de orientação sexual, tá bom?

Dia da visibilidade trans? 

A data de 29 de janeiro ficou marcada porque no ano de 2004 houve uma campanha e a data se tornou marco de respeito, visibilidade e luta por direitos. Isso é importante para garantir que a população trans possa usufruir de seus direitos em todos os aspectos. As violências sofridas podem afetar a saúde física, psíquica e emocional. Além de impactar aspectos educacionais, profissionais e sociais!

A ideia da data é dar voz, espaço e visibilidade para exaltar as pessoas, visando a inclusão da diversidade! Além disso, é também combater o preconceito, a transfobia, no país que está na liderança do ranking mundial, ruim né?

Quando falamos sobre os direitos, estamos falando que as pessoas trans devem ter sua identidade reconhecida e respeitada. Dentre alguns direitos, está uso do nome social, que teve seu marco em março de 2018. No passado, para isso acontecer precisava passar por um processo judicial e também pela cirurgia de redesignação sexual. Hoje em dia, não há mais a necessidade da cirurgia e nem de processo judicial, basta ir até um cartório!

E o que você não deve fazer ou falar com uma pessoa trans?

Transfobia (trans + fobia) é o preconceito em relação a pessoas trans e algumas perguntas podem evidênciar isso. Portanto, não faça esse tipo de comentário ou fala, eles podem causar sentimentos de desconforto, intimidação ou humilhação.

Não pergunte “qual o nome de verdade” daquela pessoa fazendo menção ao nome anterior. O nome de verdade é aquele que a pessoa usa e com o qual se identifica. Inclusive, não use o termo “de verdade” seja para o nome ou para o gênero “você parece homem/mulher de verdade”, ser trans não é ser de mentira, portanto aquela pessoa é o que se identifica.  

Perguntar se a pessoa fez a cirurgia ou querer saber como era essa pessoa antes da ‘transformação’ pode ser muito ofensivo. Não é o sexo biológico que define o gênero, como falamos lá em cima sobre cis/trans. Por isso, fazer a cirurgia não é um fator determinante. Outra coisa que pode ser muito ofensiva é querer saber quando foi que a pessoa “decidiu” ser trans.

Agora você já sabe o que é transfobia e algumas formas como ela pode se apresentar. Seja empático e aceite a diversidade sexual, mas não esqueça: é seu dever respeitar! A data da visibilidade trans é 29 de janeiro e ela se repete todos os anos, mas o que você aprender nela e o respeito devem ser usados todos os dias!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.